Compreendendo a Vacuidade

.

por Ajahn Buddhadasa:

“Quando a mente compreende a vacuidade; quando a mente vê ou percebe a vacuidade; então ela mesma é vazia; porque quando a mente está percebendo ou vendo a vacuidade, ela não vê nada que possa ser tomado como ‘bom’ ou ‘mau’; não há nada para ser agarrado como ‘positivo’ ou ‘negativo’ e assim então, a mente é vazia como um todo. Quando a mente é vazia, isso é a felicidade suprema, não há nenhuma felicidade que se aproxime tanto desta mais verdadeira e genuína felicidade da vacuidade. Esta é a felicidade da liberdade, quando a mente é completamente liberta de todas as coisas que têm poder sobre ela, que a influencia, que a apanha em armadilha, que empurra seus botões e assim sucessivamente. Esta é a felicidade mais alta, a felicidade da vacuidade.

Este tipo de vacuidade não acontece somente depois de muitos anos de prática e treinamento. Você provavelmente não a notou ainda. Na realidade, na vida de todo mundo há momentos, pelo menos um momento muito curto, quando a mente está livre, quando a mente está sem qualquer sentimento de positivo ou negativo, quando a mente não está agarrando nada como ‘bom’ ou ‘mau’.

Isto é uma amostra grátis ou espécime grátis do Nibbana, da completa e perfeita vacuidade. As pessoas tendem a negligenciar estas amostras grátis, não prestam nenhuma atenção porque estão muito ocupadas perseguindo os prazeres enganosos. Então, por favor, comecem a prestar atenção. Estejam atentos a esses momentos, quando a mente está livre, quando a mente está vazia de positivo e negativo.

Uma vez que começamos a ver, somente uma fração de segundo desta vacuidade, quando viermos a realmente perceber o que verdadeiramente é, então nós viramos nossas vidas em direção desta vacuidade e partimos, verdadeira e genuinamente partimos, no caminho para o Nibbana, para uma vida que é vazia, que está acima das condições mundanas. Assim, não negligencie essas amostras do Nibbana que a Natureza nos dá. Então você começará a compreender esta mais alta felicidade genuína.

Resumindo, quando há egoísmo então a mente não está vazia; quando não há nenhum egoísmo, a mente está vazia e livre”.

Ven. Ajahn Buddhadasa


Venerável Buddhadasa Bhikkhu (1906 – 1993)

Ajahn Buddhadasa Bhikkhu (cujo nome significa ‘Servo do Buddha’) tornou-se um bhikkhu (monge buddhista) em 1926, com a idade de 20 anos. Após alguns anos de estudo em Bangkok, sentiu-se inspirado a viver perto da natureza, de maneira a investigar o Buddha-Dhamma. Estabeleceu, então, Suan Mokkhabalarama (O Jardim do Poder da Libertação) em 1932, perto de sua cidade natal. Na época, ele era o único Centro de Dhamma na Floresta e um dos poucos lugares dedicados a vipassana (o cultivo mental que leva ao “ver claramente” a realidade) no sul da Thailândia. O reconhecimento de Buddhadasa Bhikkhu, sua obra e Suan Mokkh, espalhou-se no correr dos anos, de forma que agora eles são facilmente descritos como “um dos eventos mais influentes da história buddhista da Thailândia”.

Tan Ajahn morreu em 1993, mas sua obra permanece como uma luz a indicar o caminho para todos os sérios buscadores da verdade. A Comunidade Nalanda de Buddhismo Theravada é um dos centros reconhecidos no mundo – o único da América do Sul – , a continuar nessa exploração segundo suas diretrizes e dar continuidade ao seu pensamento.

Edições Nalanda publicou, em 1999, “A Causa do Sofrimento – na perspectiva buddhista” e em 2004 “48 Respostas sobre o Buddhismo”, ambos de sua autoria.

15 Comments:

  1. Isse texto me fez lembrar um ensinamento do Santikaro: “é possível viver uma vida que não morde o seu dono aqui e agora”
    Os momentos em que somos livres do egoísmos são os mais felizes de nossas vidas.

    Daniel

  2. silvana nascimento

    Com licença para fazer uma reflexão sobre vacuidade.
    entendo que consciencia,atenção plena do que é ou está…..em nossos coraçoes ou em nossas cenas da vida….
    estar consciente aqui ,agora….inteiro com o coração aberto,pois dar somente a mente é ação fragmentada

  3. Olá Silvana. Nas línguas orientais, mente e coração são traduções para apenas uma palavra. Só no ocidente é que se separa em duas palavras com implicações distintas.

  4. Celso Carrera

    Lendo um livro do Mestre Buddhadasa, encontrei uma fraze muito contundente.

    “Num momento de Vacuidade todas as Virtudes estão presentes”.

    Depreendo que isso seja uma amostra do Nibbana.

  5. Denise Palhares Mooney

    Um momento de vacuidade não seria aquele em que o ser consegue estar em estado de plena receptividade? Um momento em que ele ‘escuta’ em vez de ‘dizer’?
    Denise

  6. Celso Carrera

    Pelo meu entendimento seria:

    Ter Plena Atenção
    Ter consciencia do “eu”
    Ter senso da vergonha do mal
    Ter medo de praticar o mal
    Ser paciente
    Ser gentil
    Ser grato/bondoso
    Ser honesto.

    Estes seriam caracteristicas para termos um momento de vacuidade.

    Metta,

    Celso Carrera

  7. Amigos,

    Sou iniciante no budismo, e fico pensando e se pudessem me ajudem. Como trabalhar eses concetiso em nossa sociedade tão competitiva e que lhe exige o máximo para você também exigir o máximo para você (para empresa, para familia ou para vc mesmo?)

    Obrigado

  8. Jorge Luiz Furtado

    Olá, Yalle.
    Deixe de exigir o máximo de você!
    Vá saindo da competição aos poucos sem que ninguém perceba!
    Deixe eles em W.O!
    :-D

  9. Tenho uma Grandeeeeee duvida sobre isso!
    Se nossa mente é feita de imagens pensamentos
    como é possivel pensar no nada sendo que q pensar é alguma coisa ? temos q ter a consciência de que estamos pensando no vazio ? concorda…
    agradeço muito a oportunidade

  10. Caro Bruno. Em nossa linhagem nunca instruímos as pessoas para ‘pensar no nada’.

  11. Luiz Carlos Castro Campos

    Como sintonizar a vacuidade? Quando tudo parece garantir a “solidez” de tudo que está a nossa volta, como perceber a vacuidade? Como não perder de vista que tudo é vacuidade?

  12. Sonia Maria Mattoso de Moura

    Bem,eu procuro o meu caminho gosto do Budismo, mas estou aquém posso chegar lá é uma questão de disciplina. Eu gostaria de saber bem simplesmente de uma forma melhor para compreender o que é vacuidade muito obrigada.

  13. A chuva vem e passa .Logo após vem o sol .Novamente vem a chuva e agora sei que ela irá passar,por isso nao me apego a ela .Assim é com o dia e a noite ,com o som e o silencio ,com a vida e a morte .
    Por saber que a chuva sempre passa e apos certamente virá o sol e depois a chuva novamente ,entao a chuva é o sol e o sol é a chuva e portanto nunca houve apenas sol e nunca houve apenas chuva .

  14. Raimundo leal

    sou novo no darma,porém entendo vacuidade como mente desapegada pois tudo é impermanente é enxergar que todos os fenômenos são transitórios e que nada acontece de uma maneira isolada,existe a interdependência.Namastê.

  15. É por aí, Raimundo. Obrigado pelo comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>