Origens

.

A gratidão é uma virtude fundamental. É nesses gigantes do não-sectarismo e do espírito inquiridor que nosso pequeno Nalanda se inspira, se renova e bebe do Dharma, esperançosamente sob o olhar benevolente do mestre de todos, o Bem-Aventurado, Valoroso, Desperto, Buddha:

De Onde Viemos

- princípios e filosofia diretora da Comunidade Buddhista Nalanda

Apesar de após praticar em diversas escolas buddhistas eu acabar por focar meus esforços na escola Theravada do Sudeste Asiático, e daí o Centro Nalanda ser conhecido como pertencente a essa escola, isso não implica em uma visão sectária ou separatista do Buddhismo. Por vezes, as pessoas olham para um centro buddhista e pensam: “Ah, tal centro é de tal linhagem e portanto deve ensinar tal e qual coisa” e projetam toda sorte de preconceitos e expectativas sobre ele. Nem sempre, entretanto, nossas idéias pré-concebidas encontram respaldo na realidade. Além disso, mesmo no Theravada, há várias linhagens, vários tipos de práticas e abordagens. Apesar de receberem a mesma denominação geral, dois centros Theravada podem ser muito diferentes. O mesmo ocorre com centros que genericamente são conhecidos como seguindo o Zen, Terra Pura ou Buddhismo Tibetano. No período que antecedeu minha entrada formal no Buddhismo, um intenso estudo de filosofia e religiões comparadas deu a tônica das iniciativas futuras.

Conhecer profundamente as várias religiões e compreendê-las desde dentro e a partir de suas maiores expressões espirituais, ao invés da geral superficialidade que estudos populares comumente revelam, foi o que aprendi do estudo sistemático de René Guénon, Ananda Coomaraswamy, Frithjof Schuon, Marco Pallis, Titus Burckhart, Seyyed Nasr e outros da corrente de pensamento variadamente conhecida como tradicionalista ou philosophia perennis. A conexão é grande com o perenialismo, na acepção em que o termo é definido pelos nomes acima, e no sentido de que acredito profundamente que certas religiões antigas da humanidade efetivamente manifestam num espaço e tempo delimitados, e numa linguagem apropriada e particular àquela cultura, uma via única e santa em direção à realidade incondicionada e um desdobrar dessa realidade no mundo, manifestando-se em conhecimento, método e graça.

René GuénonAnanda CoomaraswamyFrithjof SchuonMarco PallisTitus BurckhartSeyyed Hossein Nasr

fotos: René Guénon, Ananda Coomaraswamy, Frithjof Schuon, Marco Pallis, Titus Burckhart, Seyyed Nasr

Em meu caminho pelas escolas do Buddhismo, percebo que sempre fui atraído por iniciativas abrangentes, não-sectárias e renovadoras. No Zen, fui atraído particularmente para o Buddhismo Coreano e Vietnamita, que apresentam uma singular abertura a diversos caminhos. Ambos combinam práticas da Terra Pura e do Zen, devoção e austeridade, fé e meditação. Na Terra Pura, aproximei-me dos ensinamentos do Rev. Gyomay Kubose, um pioneiro heróico em quebrar a rigidez nipônica propondo um novo tipo de Buddhismo, que ele chamou de “buddhismo americano” ou “Caminho dda Unidade”, uma iniciativa de combinar os melhores e mais humanos aspectos dos ‘ensinamentos originais de Gautama Buddha, Jodo Shinshu, Buddhismo Zen e Buddhismo Engajado, numa abordagem não-dualista e pan-sectária’. Kubose-sensei, com o qual tive o prazer de conviver, assim como com seu filho e sucessor no Dharma, veio de uma linhagem de pensadores corajosos e brilhantes (Kiyozawa Manshi e Haya Akegarasu) aos quais a filosofia ‘teológica’ japonesa têm uma dívida inegável. Pela primeira vez ele trouxe o zazen (o sentar-se em meditação) a um templo da Terra Pura, algo inovador no Buddhismo Shin japonês e abriu seu templo para o ‘buddhismo primordial’.

Rev.Kiyozawa ManshiRev.Haya AkegarasuRev. Gyomay KuboseRev. Koyo Kubose

fotos: Rev. Kiyozawa Manshi, Rev.Haya Akegarasu, Rev. Gyomay Kubose, Rev. Koyo Kubose

Igualmente, meus melhores mestres no Theravada foram aqueles menos “sectariamente” theravadas, no sentido de que não olhavam o Theravada com uma visão exclusivista. Theravada, para mim, aponta fundamentalmente para um caminho que tem apreço pelas palavras do Buddha – no melhor que possamos compreender e descobrir de seu sentido – e que cuida por sua preservação. E não apenas no Theravada, enquanto escola que se manteve até os dias de hoje, podemos encontrar os resquícios dos ensinamentos originais. É sempre triste encontrar duas atitudes: 1. seguidores do Theravada que são evidentemente fundamentalistas e sectários, prontos a defender aquilo que acreditam ser o ‘verdadeiro’ ensinamento, usando assim, pervertidamente, o Theravada como canal de expressão de sua própria rigidez e estreiteza mental; e 2. seguidores do Mahayana ignorantes de história e que como papagaios repetem o mito dos três giros da roda considerando que tudo o que não leva o nome “mahayana” estampado em letras grandes, evidentemente só poderá ser ‘hinayana’ (o caminho vil e pequeno), caindo assim numa atitude mental das mais opostas ao verdadeiro espírito mahayana de não ofender nem ser obscurecido pela ignorância. Estas duas atitudes, infelizmente comuns em alguns meios, tornam difícil a convivência com seus promulgadores.

Tan Ajahn BuddhadasaTan Ajahn Buddhadasa, o querido mestre com o qual tive a honra de conviver foi o primeiro monge theravada na história da Thailândia a traduzir um texto mahayana (O Sutra de Huang-po) e comentá-lo ativamente. Em seus ensinamentos e atitudes, trazia exemplos do zen; escreveu sobre terra pura; incentivou a ler os significados mais profundos que jaziam intocados nas escrituras originais; exortou os praticantes do theravada, imersos no estudo de comentários posteriores do Abhidhamma, a voltarem-se para o estudo dos suttas e a buscar as palavras do Buddha mais do que a de comentadores. Inovador, renovador, polêmico, Tan Ajahn e a criação de seu mosteiro Wat Suan Mokkh (Jardim da Libertação) são frequentemente mencionados como “o maior evento da história buddhista desde Buddhaghosa (o famoso comentador do Buddhismo Theravada)” e é dito ser o mestre buddhista mais influente da história da Thailândia. Dialogou e fomentou conferências com cristãos e muçulmanos; recebeu visitas de líderes religiosos de todo o mundo – inclusive do Dalai Lama -, os quais reconheceram seu espírito singular.

Maha GhosanandaMaha Ghosananda, Supremo Patriarca do Buddhismo Cambojano e o primeiro monge theravada com quem tive contato pessoal, era inegavelmente trans-denominacional. Dele era a religião do amor, da paz, passo a passo. Líderes buddhistas de todas as escolas o chamavam de ‘bodhisattva’, e outros de “Gandhi do Camboja”. Suas Dhamma Yetra (caminhadas pela paz) – meditações andando com centenas de pessoas de todo o mundo caminhando pelos campos minados do Camboja – chamavam ambos os lados da guerra, para andar lado a lado.

Sayadaw Rewata DhammaSayadaw Rewata Dhamma, o querido mestre que tanto carinho teve por nós e por nossa comunidade no Brasil, foi outra dessas pessoas únicas que não se deixam amarrar pelo exclusivismo caduco, mas corajosamente representam uma ponta de lança a mostrar o caminho da liberdade em relação aos conceitos. Conhecido como um dos Três Leões do Abhidhamma pela comunidade theravada mundial (juntamente com U Silananda e Bhikkhu Bodhi), renomado Aggamahapandita por seu profundo conhecimento do Tipitaka e comentários, professor autorizado nas linhagens de Mahasi Sayadaw, Mogok Sayadaw e U Ba Khin, o Ven. Rewata Dhamma também era um profundo estudioso do Mahayana e do Buddhismo Tibetano. Foi companheiro de casa e amigo pessoal de nomes como Kalu Rinpoche e Tarthang Tulku. Quando o XVI Sakyapa partiu da Inglaterra, o nome que indicou para sucedê-lo como diretor espiritual de sua comunidade não foi um tibetano, mas o monge theravada Rewata Dhamma, seu amigo.

A tais professores do único dharma e seus sinceros discípulos, somente posso agradecer por toda a ajuda em motivação, ensinamento, exemplo e amizade. Quando olho para trás em busca de outros mestres que conheci e com quem estudei diretamente e que me influenciaram diretamente no Dhamma do Buddha, vejo que eles igualmente compartilhavam desse espírito não-sectário e abrangente. Anagarika Munindra-ji viu além das linhagens de meditação, sendo considerado um dos avós de vipassana e metta no Ocidente, por ter sido o professor de algumas figuras instrumentais em trazer o Buddhismo para o mundo ocidental, tais como Joseph Goldstein, Sharon Salzberg e Lama Surya Das; Dipa-ma e Ajahn Ranjuan trouxeram a suavidade da verdadeira natureza feminina que vai além do conflito; Shinzen, o monge Shingon que se voltou à meditação theravada e ao qual devo algumas das melhores descobertas na meditação.

Anagarika Munindra-jiDipa-maAjahn RanjuanShinzen

fotos: Anagarika Munindra-ji, Dipa-ma, Ajahn Ranjuan, Shinzen

Vejo-me abençoado por ter conhecido tais mestres. Eles, eu levanto sobre minha cabeça, pois o pouco que pude assimilar tem um valor insubstituível e inestimável para mim. E a Comunidade Nalanda intenta engatinhar sobre tais fundações, provendo um ambiente de abrangência, não-sectarismo, estímulo à investigação e prática responsável.

Em termos de comunidade, queremos incentivar a concepção que Tan Ajahn Buddhadasa tinha para seu mosteiro, Wat Suan Mokkh, de que: “Ao invés de uma pessoa tentar transformar a outra, deve-se permitir ao Dhamma-Natureza-Lei que atue, molde e transforme. Aqui, mesmo o egoísta e o imaturo encontram espaço para crescer em direção ao altruísmo. Os mais instruídos e experientes devem ser capazes de observar e encorajar com bondade, compaixão e equanimidade. Se demasiada importância é colocada no se ajustar a alguma forma externa, o coração nunca se ajustará ao Dhamma. Mais uma vez, isso está alinhado com o exemplo de Buddha. Ao invés de se colocar como professor ou mensageiro divino ou deus, ele se colocava simplesmente como um kalyana-mitta (amigo bom, nobre)“.

Da mesma forma, no Nalanda, o foco não é em formar instrutores ou professores, não é criar círculos esotéricos de iniciados e não-iniciados, ou estabelecer hierarquias de gurus e discípulos ou antigos e novos; mas, sim, incentivar a existência de amigos dispostos a ajudarem-se mutuamente no entendimento e prática dos ensinamentos primevos do Buddha. SantikaroPara quem deseja entender o espírito que nos inspira, recomendo enfaticamente ler (várias vezes) o artigo Jardim da Libertação de Ajahn Santikaro, discípulo de Tan Ajahn, e nosso amigo e professor, que captou tão bem em palavras o ambiente vivido por aqueles que tiveram oportunidade de conviver em Suan Mokkh quando o mestre estava vivo.

Ven. SariputtaOlhando para trás, penso que o nome ‘Nalanda’ é bastante apropriado para nossa comunidade. Lugar de nascimento de Sariputta, Nalanda traz à lembrança os discípulos do Buddha, o conhecimento dos Suttas e do Abhidhamma (o nome de Sariputta frequentemente é associado à transmissão do Abhidhamma). Enquanto Universidade – a antiga Nalanda se tornou posteriomente o mais importante centro educacional de toda a história antiga do Buddhismo (eu estava na Índia quando o Dalai Lama disse diante de nós [2006] que todas as manhãs se voltava para Nalanda para agradecer, pois toda a tradição tibetana surgiu de lá) – ela nos traz à lembrança a importância do estudo sério e profundo.

E qual era a característica principal de Nalanda? Na antiga Universidade Nalanda, professores, monges e alunos de *todas* as escolas e regiões eram recebidos e conviviam pacificamente. E não apenas o dharma buddhista era estudado, mas outros temas e religiões também. Lá, a cor do manto ou a denominação não eram o que importava, mas sim a sede por conhecimento e a devoção aos ensinamentos do Buddha, viessem sob que nome fosse. Investigar, inquirir, descobrir – foram marcas da antiga Nalanda. Não aceitar respostas prontas e superficiais ou modelos enrijecidos, e nunca cessar em buscar o cerne do que o Buddha nos quis ensinar.

É nesses gigantes do não-sectarismo e do espírito inquiridor que nosso pequeno Nalanda se inspira, se renova e bebe do Dharma, esperançosamente sob o olhar benevolente do mestre de todos, o Bem-Aventurado, Valoroso, Desperto.

.: reflexões de Dhanapala

Invocação dos Cinco Benfeitores

Que o Senhor Buddha repouse sobre nossa cabeça
Que o Dhamma repouse sobre nossa cabeça
Que a Sangha repouse sobre nossa cabeça
Que nossos pais repousem sobre nossa cabeça
Que nossos professores repousem sobre nossa cabeça
Inumeráveis são os benefícios que estes cinco nos conferem!

Compartilhe com seus amigos:Share on Google+0Share on Facebook2Tweet about this on Twitter0Pin on Pinterest0Email this to someone

Comments are closed.