por Venerável K. Sri Dhammananda Maha Thera

Você está preocupado? Você se sente mal?

Se a resposta for sim, você está convidado a ler este livreto a fim de desenvolver um melhor entendimento de seus problemas. Ele é dedicado a você e a todos aqueles que se preocupam.

 

Medo e preocupação

Medo e preocupação se originam no imaginário de nossas mentes que são influenciadas pelas condições mundanas. Eles estão enraizados no desejo e no apego. De fato, a vida é como um filme no qual tudo está em movimento e em constante mutação. Nada no mundo é permanente e imutável. Aqueles que são jovens e fortes têm medo de morrerem jovens. Os que são mais velhos e sofrem preocupam-se em viverem demais. Presos no meio desses estão aqueles entusiasmados com a alegria eufórica o ano todo.

Alegres expectativas quanto ao que é agradável parecem passar demasiadamente rápido. As expectativas temíveis do desagradável criam ansiedades que parecem não ir embora. Esses sentimentos são naturais. Tais altos e baixos da vida brincam com um eu ou ego ilusório como bonecos em uma corda. Mas a mente é suprema em si mesma.

O treinamento da mente, também conhecido como cultura mental, é o primeiro passo para domar a mente inquieta. O Buddha explicou:

Do desejo sedento brota o pesar,

do desejo sedento brota o medo.

Para aquele que é completamente livre do desejo sedento,

Não há pesar, muito menos medo”.

Todos os apegos terminal na tristeza. Nem lágrimas, nem o longo adeus podem dar um fim na transitoriedade da vida. Todas as coisas compostas são impermanentes.

Velhos e jovens sofrem nesta existência. Ninguém está isento. Muitos adolescentes têm dores de crescimento. Sendo nem sapos nem girinos, os adolescentes são compreensivelmente inexperientes na construção de relacionamentos estáveis com membros do sexo oposto. Eles tentam exibir a sua beleza para tentar impressionar os do sexo oposto, que se sentem lisonjeados por se verem como objetos sexuais. Ambos tentam se comportar não como realmente são, mas como o que eles pensam que seja adulto. Eles têm medo de que, ao se comportarem naturalmente, as pessoas ririam deles. Comportamentos assim têm o potencial de exploração. Há medo de rejeição, bem como preocupação com egos diminuídos. Amor não correspondido muitas vezes “quebra” corações de muitos adolescentes, porque eles sentem que fizeram “papel de tolos”. Alguns são levados a cometer suicídio. Mas tais traumas poderiam ser evitados se a vida for vista como realmente é. Aos jovens deve ser ensinada a abordagem buddhista da vida, para que eles possam crescer em maturidade da maneira correta.

‘Sempre que surge o medo, ele surge no tolo, não nos sábios’, diz o Buddha. O medo não é nada mais do que um estado de espírito. O estado de espírito de alguém está sujeito a controle e direção; o pensamento negativo produz medo, o uso positivo realiza esperanças e ideais. A escolha repousa inteiramente sobre nós mesmos. Cada ser humano tem a capacidade de controlar sua própria mente. A natureza dotou o homem de controle absoluto sobre uma coisa, e isto é pensamento. Tudo o que um homem cria começa na forma de um pensamento. Aqui está a chave para ajudar a entender o princípio pelo qual o medo pode ser dominado.

Um notável anatomista britânico uma vez foi questionado por um aluno qual era a melhor cura para o medo, e ele respondeu: “Tente fazer algo para alguém”.

O estudante ficou consideravelmente espantado com a resposta, e pediu esclarecimento adicional, sobre o qual seu instrutor disse: “Você não pode ter dois conjuntos opostos de pensamentos em sua mente ao mesmo tempo. Um conjunto de pensamentos sempre levará o outro para fora. Se, por exemplo, sua mente está completamente ocupada com um desejo altruísta de ajudar alguém, você não poderá estar abrigando o medo ao mesmo tempo.

“A preocupação desidrata o sangue mais rapidamente do que a idade”.

Medo e preocupação moderados são instintos naturais de autopreservação. Mas medo irracional constante e preocupação prolongada são inimigos implacáveis para o corpo humano. Eles desorganizam as funções corporais normais.

 

Controle sua mente

A mente do homem influencia profundamente o seu corpo. A mente tem tanto potencial para ser uma medicação como tem para ser um veneno. Quando a mente é viciosa, pode matar um ser, mas quando é estável e diligente pode beneficiar os outros. Quando a mente está concentrada em pensamentos corretos e apoiada pelo esforço correto e compreensão correta, o efeito que ela produz é imenso. Uma mente com pensamentos puros e saudáveis ​​leva a uma vida saudável e relaxada.

O Buddha diz: “Nenhum inimigo pode machucar tanto alguém como os seus próprios pensamentos de ânsia, pensamentos de ódio, pensamentos de inveja e assim por diante”. Um homem que não sabe como ajustar sua mente de acordo com as circunstâncias é como um homem morto. Incline sua mente para dentro, e tente encontrar prazer dentro de si mesmo.

É apenas quando a mente está controlada e dirigida apropriadamente que ela se torna útil para seu portador e para a sociedade. Uma mente inquieta é uma desvantagem tanto para seu portador quanto para outros. Toda a devastação causada nesse mundo é a criação de pessoas que não aprenderam o caminho do controle, equilíbrio e compostura da mente.

Calma não é fraqueza. Uma atitude calma todo o tempo demonstra um homem de cultura. Não é tão difícil para alguém ficar calmo quando as coisas são favoráveis, mas manter-se tranquilo quando elas dão errado é realmente duro. É essa difícil qualidade que vale a pena conquistar porque, ao exercitar essa calma e esse controle, um homem constrói força de caráter.

 

A voz da natureza

O homem moderno não escuta a voz da natureza porque está muito preocupado com ganhos materiais e prazeres. A atividade mental dele está tão preocupada com prazeres mundanos que ele negligência as necessidades do espírito. Este comportamento antinatural do homem contemporâneo imediatamente resulta numa visão mundial equivocada da vida humana e do seu verdadeiro propósito. É a causa de toda frustração, ansiedade, medo e insegurança dos dias atuais.

Se o homem é cruel e perverso, vive contra as leis da natureza e do cosmos, seus atos, palavras e pensamentos poluem toda a atmosfera. A natureza abusada não fornecerá ao homem o que ele exige para sua vida; ao invés disso, choques, conflitos, epidemias e desastres o aguardarão.

Se o homem vive de acordo com a lei natural, leva uma vida honrada, purifica a atmosfera através dos méritos de suas virtudes e irradia seu amor compassivo na direção de outros seres vivos, ele pode trazer a felicidade humana. Alguém que realmente gosta da paz não deve violar a liberdade de outro homem. É errado perturbar e enganar os outros.

Você pode ser uma pessoa muito ocupada, mas dedique ao menos cinco minutos para meditar ou ler alguns bons livros. Esse hábito lhe dará um descanso de suas preocupações e o ajudará a desenvolver sua mente. Religião é o seu benefício. Entretanto, é seu dever pensar sobre sua religião. Dedique algum tempo para comparecer a encontros promovidos em uma atmosfera religiosa. Até mesmo um tempo curto na companhia de pessoas espiritualmente inclinadas produzirá bons resultados.

 

Saúde mental e tendências criminosas

O aumento de todos os tipos de doenças psicológicas e perturbações é o mais alarmante de todas as doenças da idade moderna. Há mais e mais pessoalmente mentalmente doentes em todo o mundo; especialmente nos países ricos.

Em muitos casos a criminalidade na nossa sociedade é mencionada no mesmo tópico da doença mental. Um resultado positivo e extenso originário diretamente do trabalho de pesquisa de Freud é o reconhecimento de que criminosos e delinquentes são doentes mentais, que precisam de tratamento e não de punição. É esse enfoque liberal sobre o problema que é a base de toda a reforma social “progressista” para substituir punição por reabilitação.

 

Conheça o seu vizinho

Quando não vemos como as pessoas vivem, podemos não aprender as diferentes maneiras de viver. Viajar é a melhor forma de educação. Encontros pessoais com pessoas diferentes de nós mesmos fazem nos sentir mais solidários. A intolerância nasce frequentemente da ignorância das necessidades e do modo de pensar das outras pessoas.

 

A infelicidade do homem

O Buddha ensinou que toda a infelicidade do homem resulta do desejo egoísta: mais prazer que o dinheiro possa comprar, mais poder sobre os outros homens e, o mais importante de tudo, viver para sempre, mesmo depois da morte! O desejo por essas coisas torna as pessoas egoístas. Elas pensam apenas em si mesmas, querem coisas só para si, e não se importam com o que acontece com outras pessoas. Quando seus desejos não são cumpridos, tornam-se inquietas e descontentes. A única maneira de evitar essa inquietação é livrar-se dos desejos que a causam. Isso é muito difícil, mas quando um homem consegue isso, ele o aprecia.

 

O tempo cura nossas feridas

Problemas passam. O que fez você explodir em lágrimas logo será esquecido. Você pode se lembrar que você chorou, mas não por que você fez isso! À medida que crescemos e passamos pela vida, nós somos frequentemente surpreendidos sobre como nós repousamos acordados a noite pensando sobre algo que nos perturbou durante o dia, ou como nutrimos ressentimentos contra alguém, deixando os mesmos pensamentos atravessarem nossas mentes a respeito de como ter nossa vingança. Podemos cair em uma raiva no calor do momento sobre algo, e depois se perguntar o que aconteceu que ficamos tão zangados, e ficarmos surpresos ao perceber que desperdício de tempo e energia que tinha sido tudo isto. Nós temos seguido deliberadamente sendo infelizes, quando poderíamos ter deixado de ser assim e começado a pensar em qualquer coisa mais saudável.

Quaisquer que sejam os nossos problemas, e ainda que nos sintamos machucados, o tempo vai curar nossas feridas. Mas com certeza deve haver algo que possamos fazer para nos prevenir de sermos machucados, em primeiro lugar. Por que deveríamos permitir que os outros ou os problemas drenem nossa energia e nos façam infelizes? A resposta é que não são eles. Somos nós que nos fazemos infelizes.

Você pode ter algum problema em seu local de trabalho, mas você não deveria infectar sua casa com uma atmosfera ruim. Você deve perceber que há uma solução para esses problemas. As soluções poderiam ser encontradas em alcançar a liberdade em relação aos nossos desejos egoístas, erradicando todas as formas de confusão e ignorância.

Sempre que falhamos ao encontrar uma solução para um problema, somos inclinados a achar um bode expiatório para descarregar nossa frustração. Nós não somos preparados para admitir nossas próprias falhas. É mais fácil colocar a culpa nos outros. De fato, muitos têm prazer em fazê-lo. Esta é uma atitude completamente errada para se adotar. Não devemos mostrar ressentimento em relação aos outros. Nós deveríamos fazer nosso máximo, meticulosa e calmamente, para resolver nossos próprios problemas. Devemos estar preparados para encarar quaisquer dificuldades que encontrarmos.

 

Atmosfera saudável

Deve-se desviar com bom humor de piadas e observações dirigidas a você com mau gosto. Essa é uma maneira de evitar inimizades com qualquer um. Perder sua compostura no meio do jogo irá fazê-lo se desequilibrar. Você perderá uma possível vitória. Isso vai mesmo estragar o prazer daqueles que assistem ao jogo.

Não há como converter todos neste mundo para o modo como você pensa. Nem é mesmo desejável. Se todos concordarem com você, logo o mundo ficará sem ideias.

Há muitas maneiras de corrigir uma pessoa quando ela está errada. Criticá-la, culpá-la e xingá-la em público será humilhante e não a corrigirá. Crítica é garantia de conseguir mais inimigos. Se você puder demonstrar preocupação pelo bom futuro de alguém com palavras gentis, ele o agradecerá por isso um dia.

Nunca use palavras agressivas quando expressar suas opiniões sobre os assuntos. Diplomacia, gentileza e educação não machucam ninguém. Na verdade, elas abrirão muitas portas.

Não se coloque na defensiva quando as suas próprias falhas são apontadas. Suas falhas são as indicações para aprender a se aperfeiçoar. O temperamento é uma camuflagem pobre para suas deficiências. Quando alguém perde a cabeça, vai dizer muitas coisas que seria melhor não dizer. Nunca revele segredos de um amigo antigo, não importa o quanto você está bravo com ele no momento. Você vai se degradar no processo e os outros nunca mais o aceitarão como um amigo sincero. Os outros pensarão que você fará a mesma coisa com eles: ninguém mais confiará em você.

 

Tenha coragem para enfrentar a crítica

A doçura cria a doença, a amargura vem com a cura. O elogio é doçura, um excesso dele causa a doença, e a crítica é como uma pílula amarga que cura. Devemos ter a coragem de acolher as críticas e não ter medo delas.

“A feiúra que vemos nos outros

É um reflexo de nossa própria natureza”.

A vida de uma pessoa, as circunstâncias e o mundo, são um reflexo de seus próprios pensamentos e crenças. Todas as pessoas são espelhos para si mesmas, as feridas, as enfermidades e todo o resto.

 

Felicidade e Materialismo

Muitas pessoas acreditam que podem resolver seus problemas apenas tendo dinheiro. No entanto, elas não percebem que o dinheiro em si já tem seus próprios problemas. O dinheiro não pode resolver todos os problemas. A maioria das pessoas nunca pensa corretamente. Durante todas as suas vidas, elas agem feito galgos de raça correndo atrás de uma imitação de coelho. Quando a perseguição termina, toda a excitação desaparece. Isto é muito parecido com a natureza da felicidade sensorial no país das maravilhas do materialismo. Assim que o objeto desejado é obtido, a felicidade termina e surgem novos desejos. Conseguir o objeto não parece tão satisfatório quanto a perseguição propriamente dita.

Ou, quando perdemos alguma coisa, lembre-se do seguinte conselho:

“Não diga que é seu e que é meu,

Basta dizer, isto veio para você e isto para mim,

Assim não lamentaremos o brilho que se desvanece,

De todas as coisas gloriosas que deixaram de ser”.

A riqueza não é algo para ser acumulada apenas para satisfazer o desejo. Ela serve para o seu bem-estar e para o dos outros. Tente fazer com que o mundo ao seu redor seja um lugar melhor para se viver. Use sua riqueza com sabedoria para reduzir o sofrimento dos pobres, enfermos e velhos. Cumpra suas obrigações para com as outras pessoas, seu país e sua religião. Quando chegar o momento de você partir, imagine a paz e a felicidade que isso trará quando você se lembrar das coisas boas e altruístas que fez.

Procurar riqueza através do jogo é como esperar que uma nuvem que passa nos abrigue do sol. Por outro lado, aspirar à prosperidade através do trabalho diligente é tão seguro como construir um abrigo permanente contra sol e chuva.

“Sua propriedade permanecerá quando você morrer. Seus amigos e parentes irão segui-lo até o seu túmulo. Mas apenas boas ou más ações que você fez durante o seu tempo de vida (karma) irão segui-lo para além da sepultura”.

Realizar sonhos de riquezas soa mágico, mas medo e preocupação sempre estão à espreita para tal mágica até que esta venha a se desgastar. Um rico estilo de vida traz sua parcela de perturbação mental. Com uma abundância de riqueza mal utilizada, coisas simples na vida como a amizade, a fé e a confiança que são tomadas como certas em circunstâncias mais humildes tornam-se impossíveis de alcançar. Quando um estilo de vida começa a criar insegurança, é necessário sabedoria para se colocar no caminho certo novamente. A riqueza têm suas responsabilidades; a felicidade de possuí-la é diminuída tanto no medo quanto no se preocupar em perdê-la.

Para a nossa felicidade pessoal devemos adquirir riqueza com integridade. “Abençoados os que ganham a vida sem prejudicar os outros”, diz o Buddha. Felicidade não pode ter vida longa e significativa se a riqueza deixa tristeza e sofrimento em seu rastro. Riqueza desonesta desperta inveja; mas a riqueza bem conduzida recebe respeito.

Sua riqueza pode edificar apenas sua casa, mas não você. Somente sua virtude pode lhe edificar. Sua roupa pode enfeitar seu corpo, mas não você. Somente sua boa conduta pode.

​No fim, é uma bênção saber que “felicidade é um perfume que você não consegue colocar nos outros sem derramar algumas gotas em si”. O mundo pode não ser o que você quer que ele seja, mas você pode sintonizar seu coração para encontrar felicidade dentro dele. Apenas quando você sofreu por fazer o bem, você consegue elevar-se acima dos outros em compreensão e em felicidade pessoal.

“Se você quer encontrar felicidade, vamos parar de pensar em gratidão ou ingratidão e dar simplesmente pela alegria de dar. A ingratidão é como a erva daninha. A gratidão é como uma rosa. Tem de ser regada, cultivada, amada e protegida”. (Dale Carnegie).

 

Aja sabiamente

O homem deve saber como usar sua juventude, riqueza e conhecimento no momento e lugar apropriados, e de tal modo que isso seja de benefício para si e para os outros. Se ele usa mal seu privilégio, isso apenas causará sua ruína.

“O homem deve ser forte o suficiente para reconhecer quando está fraco, bravo suficiente ao se deparar com o medo, orgulhoso e firme diante da clara derrota, humilde e gentil na vitória”.

Algumas pessoas são abençoadas com riqueza repentina através de herança. Mas, poucos são providos com sabedoria para proteger, conservar ou fazer bom uso disso. Qualquer coisa que não tenha sido conseguida através do próprio suor tende a ser desperdiçada através do abuso.

 

Vamos nos ajustar

Os costumes e as tradições são vínculos importantes para a aprendizagem e compartilhamento da experiência humana em qualquer comunidade. O dilema que enfrentamos em um mundo em constante mudança é viver ou romper com o passado. Haverá sempre um ‘conflito de gerações’ entre os velhos e os jovens por causa das diferentes percepções sobre as circunstâncias e os valores que estão em mudança. Os velhos temem que os jovens possam perder sua herança e os jovens se preocupam com o fato de que um passado antigo pode se tornar um obstáculo na vida moderna. A mudança deve ser considerada com cuidado.

A cultura popular cria ídolos momentâneos e heróis folclóricos que retratam imagens de estilos de vida conflitantes. Os meios de comunicação de massa ajudam a reforçar isso e as mentes jovens estão propensas a aceitar tudo o que eles representam. Podem existir mensagens políticas ou sociais em tais movimentos, como os movimentos Hippie ou Yuppie, mas é vital para os jovens terem a sabedoria dos mais antigos para separar o bom do ruim. O tempo prova e comprova que bons valores antigos não mudam. Valores como parcimônia honestidade, liberalidade e trabalho árduo para uma vida digna permanecem atuais em qualquer comunidade.

Em um ambiente asiático, os costumes e tradições de casamento e funeral são muito importantes. A questão é se nós devemos gastar tanto dinheiro e tempo para realizar esses costumes e tradições no mundo moderno. Eles são realmente necessários? Não há melhor conselho do que o Buddha deu no Kalama Sutta:

“Quando vocês souberem por vocês mesmos: ‘Essas ideias são não lucrativas, suscetíveis à censura, condenadas pelos sábios, sendo adotadas e postas em efeito elas levam ao dano e sofrimento, então você deve abandoná-las …. Quando vocês souberem por vocês mesmos: ‘Essas coisas são saudáveis, isentas de culpa, elogiadas pelos sábios, sendo adotadas e postas em efeito levam a prosperidade e felicidade’, então você deve praticá-las e perseverar nelas”.

Todo homem é uma criatura do universo. Enquanto o homem estiver preocupado com a humanização da sociedade e a reordenação do mundo para o bem, o tempo unirá o espaço entre o jovem e o velho. Medo e preocupação quanto à direção da mudança perderão sua pegada. O velho apenas terá de lembrar como seus pais eram contra certos estilos modernos de vida prevalecentes quando eles eram jovens. Tolerância sobre a diferença a respeito de uma questão é uma virtude. Uma atitude aberta só pode ser uma atitude feliz.

 

Não é da tua conta

É uma felicidade poder atender seus próprios assuntos sem ter dúvidas sobre os outros. Aqui está o conselho do Buddha:

“Não se deve acusar os outros dos erros e das coisas feitas e deixados por eles, mas os próprios atos de comissão e omissão”.

“Aquele que sempre observa as faltas dos outros, e fica irritado, aumenta as suas impurezas e está longe da destruição da impureza”.

“Fácil é ver as faltas dos outros, mas a sua própria falta, é difícil de ver. Alguém espalha as falhas de outros como quem joga para cima a palha, mas a  própria falha, a pessoa esconde bem coberta”.

Ninguém está livre da culpa e da crítica.

O Buddha diz: “As pessoas culpam os outros pelo seu silêncio. Elas culpam aqueles que falam muito e aqueles que falam com moderação. Não há, portanto ninguém neste mundo que não receba culpa”. Além disso, ele diz: “Nunca houve, nem haverá, nem há agora, alguém que seja totalmente culpado ou totalmente louvado”.

Nem todos que lhe criticam são seus inimigos. Você pode usar a oportunidade dos seus comentários para descobrir suas fraquezas que você não pode ver.

Você não deve abandonar um bom trabalho em razão das críticas. Se você admitir sua fraqueza, você com certeza tem a força intelectual para ser bem sucedido.

“Os nobres não se desviam do caminho correto, haja o que houver, e não desejam alegrias mundanas. Os sábios permanecem calmos e estáveis na mente, tanto na alegria quanto na tristeza”.

 

Não seja tendencioso

Você não deve tomar qualquer decisão precipitada sobre qualquer assunto quando estiver de mau humor ou sob provocação. Qualquer decisão ou conclusão alcançada durante esse período seria uma questão de que se poderia arrepender mais tarde. Permita que a sua mente se acalme primeiro e pense. Então, o seu julgamento será imparcial.

Cultive a tolerância, porque a tolerância ajuda a compreender os problemas das outras pessoas. Evite críticas desnecessárias. Tente perceber que mesmo o melhor ser humano não é infalível. A fraqueza que você encontra no seu vizinho pode ser encontrada em você mesmo. Diz-se que não devemos jogar pedras nos outros quando vivemos em casas de vidro.

 

Humildade

A humildade é a medida do homem sábio para saber a diferença entre o que é e o que ainda está para ser. “O próprio Buddha começou Seu ministério, descartando todo Seu orgulho principesco em um ato de auto-humilhação. Ele atingiu a santidade durante Sua vida, mas nunca perdeu Sua naturalidade, nunca assumiu ares superiores. Suas dissertações e parábolas nunca foram pomposas. Ele teve tempo para o mais humilde dos homens, nunca perdeu Seu senso de humor”.

 

Não desperdice seu tempo

Desperdiçar a existência de um homem em preocupações com o futuro, ficar angustiado com o passado ou ficar na ociosidade, ou ainda na negligência, é mostrar sua inaptidão para o nobre lugar que ele ocupa como a melhor das criaturas na terra. Ele vai assim, criar karma ruim que o relegará a um lugar adequado à sua indignidade. Tenha isso em mente, e faça o bem enquanto a vida perdura. Por desperdiçar seu tempo, você fere não apenas a si mesmo, mas também aos outros, porque o seu tempo é tanto dos outros como seu.​

 

Paciência e tolerância

Seja paciente com tudo. A raiva conduz ao longo de um caminho cego. Enquanto se irrita e irrita os outros, você também machuca a si mesmo. A raiva enfraquece o corpo físico e perturba a mente. Uma palavra dura, como uma flecha disparada de um arco, nunca pode ser recuperada mesmo se você oferecer mil desculpas. Certas criaturas não podem ver durante o dia, enquanto outras são cegas durante a noite. Mas um homem conduzido a grandes alturas de ódio não observa nada, nem de dia nem de noite.

Com quem e com o que você luta quando está com raiva? Você luta consigo mesmo, porque você é o pior inimigo de você mesmo. A mente é seu melhor amigo mas pode facilmente se tornar seu pior oponente. Algumas variedades de problema de coração, desordens reumáticas, e doença de pele são relacionadas a ressentimento crônico, ódio e inveja, tais sentimentos destrutivos envenenam o coração. Eles nutrem o desenvolvimento de doenças latentes por reduzirem as defesas naturais do corpo contra micróbios causadores de doença.

 

Retornando o bem ao receber o mal

Se você quer se livrar de seus inimigos, você deve, primeiro, matar o maior inimigo dentro de você – a raiva. Se você é perturbado por distrações provocadas por seus inimigos, isso significa que você está cumprindo os desejos de seus inimigos por, inconscientemente, caír em suas armadilhas.

Você não deve pensar que pode aprender somente com aqueles que o elogia, que o ajuda e que são próximos. Você pode aprender muitas coisas com seus inimigos. Você não deve pensar que eles são inteiramente errados apenas porque são seus inimigos. Eles também podem possuir algumas boas qualidades

Você não pode se livrar de seus inimigos pagando o mal com o mal; isso vai apenas trazer mais inimigos. O melhor método para se contrapor a seus inimigos é irradiar amor compassivo para eles. Você pode pensar que isso é impossível ou algo sem sentido. Mas esse é o modo certificado por toda pessoa cultivada. Quando você fica sabendo que há alguém muito bravo com vocês, deve primeiramente tentar encontrar a causa principal. Se se deve a um erro seu, você deve admitir isso e não hesitar em se desculpar. Se se deve a algum mal-entendido entre vocês, deve tentar iluminar o inimigo com uma conversa de coração para coração.

Se isso é devido ao ciúmes, tente irradiar seu amor compassivo. Você pode influenciá-lo pelas suas vibrações mentais. Você pode não estar apto a entender como isso funciona, mas a experiência de várias pessoas tem mostrado que isso é o mais poderoso, inteligente, e fácil método de conquistar amigos. Isso é extremamente recomendado no buddhismo. Claro, pra fazer isso, você deve ter confiança e paciência em si mesmo. Por fazer isso, você será apto para fazer seu inimigo entender que ele está errado. Além disso, você será também beneficiado de várias formas por não acomodar inimizade em seu coração.

 

Amor compassivo

​Enquanto houver um único semelhante a quem você possa consolar com palavras gentis, a quem você possa animar e alegrar com sua presença, a quem você possa ajudar com coisas mundanas, não importa quão pequena seja essa caridade, você é um bem precioso à raça humana. Você nunca deveria ficar desanimado ou deprimido.

Pode existir tempos quando aqueles que você ama parecem não se importar com você, e você fica de coração pesado. Mas isso não é motivo para se abater. O que isso importa, quando você sabe que está cheio de compaixão pelos seus semelhantes? Ninguém deve depender dos outros para a sua felicidade. Aquele que espera dos outros a satisfação para sua vida, é pior do que o mendigo que se ajoelha e implora pelo seu pão diário.

 

A ameaça do abuso de drogas e do alcoolismo

O álcool tem sido descrito como uma das principais causas da degradação física e moral do homem. Atualmente, outra forma mais perigosa de abuso, a de drogas nocivas e perigosas, especialmente a heroína, criou um problema humano e social muito mais sério. Este problema é agora enfrentado em todo o mundo. As repercussões do abuso de drogas são mais graves e mortais do que as do álcool. Roubo, assaltos, crimes relacionados ao sexo e desvio de grandes somas de dinheiro ocorreram sob a influência perniciosa do abuso de drogas.

Barões do tráfico, não estando contentes como mercadores da morte, têm tentado controlar governos enfraquecidos através de corrupção, suborno, subversão e atentados. Por uma questão de ordem pública, governos devem proteger os seus cidadãos contra o uso abusivo de drogas. Ainda assim, os barões do tráfico em seus esquemas perversos têm ameaçado as fundações da dignidade humana da sociedade. Porta-vozes da conscientização e suas famílias constantemente correm risco de vida porque desafiam cruzar o caminho dos barões do tráfico.

Sem a cooperação internacional para erradicar esse mal, a vitalidade e o futuro de muitas nações será de fato desolador. Em todo o mundo, inúmeros milhões de dólares duramente ganhos foram gastos para livrar os viciados de seus maus hábitos, mas a mania enlouquecedora persiste. É nosso dever ajudar de qualquer maneira que possamos, erradicar esse hábito terrível e impedir que nossos filhos sequer se aproximem.

A vida de um viciado em drogas ou de um alcoólatra é uma vida de tortura e um inferno na terra, levando a uma morte prematura.

 

O Alcoolismo

A bebida expulsa a razão,

Afoga a memória,

Desfigura o cérebro,

Diminui a força,

Inflama o sangue,

Causa ferimentos incuráveis externos e internos.

É uma bruxa para o corpo,

Um demônio para a mente,

Um ladrão para o bolso,

A maldição do pedinte,

O infortúnio da mulher,

A tristeza das crianças,

O retrato da besta

E o autoextermínio.

Que bebe à saúde de outros

e rouba a própria saúde.

 

Como seres humanos, devíamos ter autocontrole para distinguir entre o que é bom e mau. Mantermo-nos afastados do abuso de drogas e do alcoolismo e ajudar os outros a fazê-lo. Esse será o maior serviço para a humanidade.

 

Você cria o céu e o inferno aqui

“Se você quiser viver neste mundo pacificamente e feliz, permita que outros também vivam de forma pacífica e feliz, para que você possa tornar este mundo algo digno de viver”. A menos que, e até que, você se ajuste a viver de acordo com estes nobres princípios, você não poderá esperar felicidade e paz neste mundo. Você não poderá esperar esta felicidade e paz do céu simplesmente orando.

Se você agir de acordo com os princípios morais, mantendo a dignidade humana, você poderá criar seu próprio paraíso aqui neste mundo. Você também poderá criar o fogo do inferno nesta própria terra se você abusar da vida humana valiosa. Por não sabermos viver de acordo com esta lei cósmica universal, nós muitas vezes tropeçamos. Se cada homem tentar levar uma vida inofensiva e respeitável, as pessoas poderão desfrutar da real felicidade celestial melhor do que o tipo que algumas pessoas esperam ganhar após a morte.

É supérfluo criar um céu em outro lugar para recompensar a virtude, ou um inferno para punir o vício; virtude e mal têm reações inevitáveis neste mundo, independentemente da fé religiosa. A compaixão para todas as criaturas é a única maneira de criar o paraíso. Podemos ter este ideal luminoso irresistível para o bem da sociedade e do país, respirando tolerância e simpatia pelo progresso e felicidade dos outros. Chegamos até aqui como uma raça humana porque ilustres indivíduos mostraram-nos o caminho. Ao ajudar outras pessoas moralmente, você ajuda a si mesmo e ajudando-se moralmente, você ajuda aos outros.

 

Feliz vida de casado

Em um casamento verdadeiro, o homem e a mulher pensam mais na parceria do que em si mesmos. O casamento é uma bicicleta feita para dois. Um sentimento de segurança e contentamento vem de esforços mútuos. Impaciência e mal-entendidos são responsáveis pela maioria dos problemas familiares. A esposa não é serva de seu marido. Ela merece respeito como igual. Embora o marido tenha os deveres de ganhar o pão, ajudar com as tarefas domésticas não rebaixa a masculinidade dele. Ao mesmo tempo, uma esposa irritante e mal-humorada não vai compensar a escassez em casa. Nem a suspeita sobre seu marido ajudará a fazer um casamento feliz. Se o marido tem defeitos, somente tolerância e palavras amáveis farão com que ele veja a luz. A compreensão correta e a conduta moral são o lado prático da sabedoria.

Casamento é uma benção, mas muitos pessoas transformam suas vidas de casados em uma maldição. Pobreza não é a causa principal de uma infeliz vida de casado. Ambos marido e mulher devem aprender a compartilhar o prazer e a dor de tudo em suas vidas diariamente. Compreensão mútua é o segredo de uma vida familiar feliz.

 

Não se Preocupe

O segredo de um viver feliz e de sucesso é fazer o que necessita ser feito agora, e não se preocupar sobre o passado ou futuro. Nós não podemos reformar o passado e também não podemos antecipar tudo do futuro. Há apenas um momento do tempo sobre o qual temos algum controle consciente e este é o presente.

Muitas pessoas se preocupam apenas com o próprio futuro. Elas têm que aprender a ajustar-se às circunstâncias. Quaisquer que sejam os castelos que elas possam construir no ar, quaisquer que sejam os sonhos que elas possam ter, elas sempre devem se lembrar de que estão vivendo neste mundo de constante atrito e mudança.

“Não há estrelas em que confiar,

Não há luz a nos guiar,

E sabemos que devemos,

SER BONS, APENAS SER, SERMOS CORRETOS”.

 

Pilares do sucesso

Falhas não são senão pilares do sucesso. Aprender com nossas falhas é alcançar o sucesso. Nunca ter falhado é nunca ter vencido. A não ser que experimentemos o fracasso e seu amargor, nunca apreciamos a doçura da vitória; ela se torna meramente uma sucessão de eventos com pouco ou nenhum interesse. Fracassos não apenas nos ajudam a ter sucesso, eles nos tornam ativos, entusiasmados e ricos em experiência.

“Vivemos, trabalhamos e sonhamos,

Cada um tem seu pequeno plano,

As vezes nós rimos;

As vezes nós choramos,

E assim os dias passam”.

 

A verdadeira beleza

​Feiura física não é deficiência para uma personalidade encantadora. Se uma pessoa feia cultiva a virtude do amor compassivo, aquele amor aparecerá de muitas maneiras exitosas: serenidade, brilho, bondade e gentileza. Esse tipo de atração facilmente compensará quaisquer imperfeições na aparência.

Comparativamente, uma pessoa bonita com pose e orgulho, parecerá sem atrativos e repulsiva. Encanto interior é a verdadeira beleza, que tem qualidade e atração especiais.

 

Por que é tão difícil deixar esse mundo?

Para a maioria das pessoas, a morte significa um evento indesejado. Com tantos anseios a serem satisfeitos, a tarefa de viver, apesar do enorme sofrimento, nunca termina. As pessoas se sentem mais confortáveis com o milagre da alegria do que com a realidade da morte. Se por fim elas realmente precisarem pensar sobre isso, deixarão apenas para um relance na hora derradeira.

O apego à vida mundana gera um medo mórbido da morte. Mas a verdade é que a vida nada mais é que sofrimento. A morte é natural e inevitável. Mas a morte em si não chega a ser tão amedrontadora quanto a ideia de morrer. A mente tem a capacidade de criar e ampliar imagens ilusórias da morte. Isso acontece porque uma mente não treinada a ver a vida com toda a sua impermanência e insatisfatoriedade tende a se apegar a ilusões do mesmo modo como um homem se afogando tentará se apegar a um pedaço de palha.

O medo da morte criado pela mente também gera desconforto mesmo para aqueles que, fervorosamente, oram a um ser sobrenatural imaginário para obterem perdão e um lugar no céu quando a vida parece desesperada. É claro que o medo da morte é uma manifestação de autopreservação instintiva. Mas há uma maneira de superar esse medo. Faça algum serviço altruísta para o bem-estar dos outros e, assim, ganhar esperança e confiança na próxima vida. O altruísmo purga todos os apegos egoístas.

Pureza de mente, desapego a coisas mundanas, assegurarão uma partida feliz deste mundo. É a constante contemplação da morte para entender a impermanência da vida, e a sabedoria para corrigir o meio de vida incorreto, que levam embora o medo da morte. Fortaleça a mente para encarar fatos e realidades da vida. Evite ambições irreais e impraticáveis. Desenvolva a auto-confiança. Então, você estará mais relaxado para superar as dificuldades da vida.

 

Responsabilidades

Estamos todos inclinados a culpar os outros por nossas próprias deficiências e desgraças. Você já pensou que você mesmo poderia ser responsável pelos seus próprios problemas? Suas tristezas não têm nada a ver com uma maldição familiar ou o pecado original de um ancestral. Nem é obra de um deus ou de um demônio. Suas tristezas são sua própria criação. Você é, portanto, seu próprio carcereiro e seu próprio libertador. Ao mesmo tempo, você cria seus próprios infernos e seus próprios céus. Você tem a potencialidade de se tornar pecador ou santo. Nenhuma outra pessoa pode fazer de você um pecador ou um santo.

Você deve aprender a assumir as responsabilidades de sua própria vida. Você tem de aprender a admitir suas próprias fraquezas sem culpar ou perturbar os outros. Lembre do antigo provérbio: “O inculto sempre culpa os outros, o semi-inculto culpa a si e o culto não culpa nenhum deles”.

​Sempre que surge qualquer problema, nós, como pessoas compreensivas, deveríamos tentar descobrir por nós mesmos onde está o problema sem culpar os outros. Se cada pessoa tentasse corrigir-se, não haveria qualquer problema ou conflito neste mundo. Mas as pessoas simplesmente não fazem esforço para melhorar seu entendimento agindo imparcialmente. Elas preferem buscar bodes expiatórios. Elas olham fora delas pela fonte de seus problemas porque resistem em admitir as próprias fraquezas.

A mente humana é tão dada ao auto-engano que ela vai tentar encontrar desculpas para justificar suas ações e assim criar a ilusão de inocência. O Buddha disse: “É fácil ver os defeitos dos outros; é difícil, no entanto, ver as próprias faltas”. Dhammapada.

Para esconder sua fraqueza com as denúncias dos seus erros, muitas pessoas adotam uma atitude agressiva em relação aos outros, pensando que assim agindo, elas podem evitar uma situação vergonhosa ou a causa das reclamações contra elas. Elas não percebem que tal atitude apenas vai criar mais problemas para si mesmas além de gerar uma atmosfera doentia ao seu redor.

Você deve admitir quando estiver errado. Não seja como os não civilizados, que sempre culpam os outros. O Buddha também diz:

“O tolo que não admite que é um tolo é um verdadeiro tolo. E o tolo que admite que é um tolo é um sábio na mesma extensão”. (Dhammapada)

Você é responsável pela sua tristeza. Quando permite que até os menores incidentes aborreçam e revirem a sua mente, você está gerando sua tristeza. Você precisa entender que não tem nada de errado no mundo, mas que todos nós temos algo de errado.

 

Suas responsabilidades para o entendimento mútuo

Lembre-se de que, aconteça o que acontecer, você não irá se sentir magoado se souber manter um estado de espírito equilibrado. Você é ferido somente pela atitude mental que você adota para consigo mesmo e para com os outros. Se você mostrar uma atitude amorosa para com os outros, você também receberá uma atitude amorosa. Se você mostrar ódio, você vai, sem dúvida, receber ódio em troca. Um homem irritado expira veneno, e ele se machuca mais do que faria mal aos outros.

Um homem enraivecido que esbraveja com os outros será incapaz de ver as coisas em uma perspectiva apropriada; é como se a fumaça penetrasse os seus olhos. Qualquer pessoa sábia o suficiente para não se enfurecer não pode ser ferida. Lembre-se sempre de que ninguém pode feri-lo a menos que você prepare o caminho para que outros assim o façam. Se você segue o Dhamma  (meio de vida correto), este Dhamma o protegerá. O Buddha diz: “Quem quer que fira uma pessoa inofensiva, que é pura e inocente,  a este tolo o mal retorna tal qual poeira jogada contra o vento” Dh. Se você desperta a raiva de outros você é responsável pela reação que isso produz. Demonstrando sua atitude agressiva, você somente satisfaz os desejos de seus inimigos.

 

Não culpe os outros

Se você aprender a guardar sua mente corretamente, os acontecimentos externos não poderão afetá-lo. Você não deve culpar as circunstâncias quando as coisas dão errado. Você não deve pensar que é azarado, que você é vítima do destino, ou que alguém tenha amaldiçoado você ou que tenha feito algum “feitiço” contra você. Não importa o motivo que você dá, você não deve fugir da responsabilidade por suas próprias ações. Tente resolver seus problemas sem indisposição. Tente trabalhar alegremente mesmo sob as circunstâncias mais difíceis.

Seja corajoso para encarar qualquer mudança, se a mudança é natural ou necessária; então seja corajoso o suficiente para aceitar o que você não pode evitar. Seja sábio o suficiente para entender as incertezas das condições mundanas que afetam a todos. Então, você deve desenvolver uma coragem para encarar decepções e problemas sem se sentir frustrado. Dificuldades abundam na nossa vida. Temos que encará-las com coragem. Se você sabe como superá-las sem criar mais problemas, você é realmente sábio.

Aqueles que tentam fazer algum serviço aos outros também enfrentam problemas. Eles até encontram mais culpas do que aqueles que não servem os outros de jeito nenhum. Você não deve desanimar; em vez disso, tenha a compreensão de perceber que o serviço abnegado eventualmente traz a felicidade como sua própria recompensa. Ao prestar nosso serviço aos outros, deve haver conhecimento e compreensão. Bertrand Russell, um filósofo britânico, diz: “Amor sem conhecimento e conhecimento sem amor não pode produzir uma vida boa”.

 

Você é responsável por sua paz interior

Você deve aprender como proteger qualquer paz interior e calma que você criou dentro de sua mente. Para preservar a paz interior, você deve saber quando reduzir seu complexo de superioridade; você também deve saber quando ignorar seu orgulho, quando subjugar seu ego falso, quando descartar em você sua rigidez e quando praticar a paciência. Você não deve permitir que outros tirem sua paz interior. Você pode preservar sua paz interior se você souber agir sabiamente.

A sabedoria vem através da compreensão. ‘O homem não é um anjo caído, mas um animal crescente’. Use seu pleno esforço com convicção para manter seus princípios firme e suavemente. Ao mesmo tempo, seja humilde em prol da paz e da tolerância para evitar confrontos e violência. Ao fazer isso, você nunca perderá nada. Em vez disso, você ganhará no final.

 

Como enfrentar a crítica

Você deve aprender como se proteger da crítica injusta e como fazer uso sensato da crítica construtiva. Você deve sempre olhar objetivamente para a crítica. Se a crítica direcionada a você for injusta, mal fundada, feita com má intenção, você não deve covardemente desistir da sua dignidade. Se você sabe que não há culpa consciente em vocês sua atitude é correta e valorizada por pessoas sábias, então você não precisa se preocupar com críticas mal fundamentadas. Sua compreensão tanto da crítica construtiva como da crítica destrutiva é importante para ajustar seu modo de vida para viver em qualquer sociedade. O Buddha diz: “Não há ninguém que não seja apontado como culpado neste mundo”. – Dhammapada.

 

Não espere nada e nada irá desapontá-lo

Você pode evitar decepções não tendo qualquer expectativa acerca de seu serviço. Se você não espera nada, então nada pode decepcioná-lo. Faça algo em benefício dos outros para aliviar o sofrimento. Se você pode fazer isso sem esperar qualquer tipo de recompensa, então você não terá nenhum motivo para decepção. Você pode ser um homem satisfeito! A felicidade que surge em sua mente pelo bem que você fez, é, em si, uma grande recompensa. Essa felicidade cria uma imensa satisfação em sua vida. Esperando a recompensa, você não sente apenas falta da sua felicidade, mas muito frequentemente você experimentará mesmo o amargor da decepção.

Talvez, você possa ser uma pessoa que é boa por natureza e, então, você não machucará os outros. Contudo você se sente culpado apesar de ter feito o bem. Então, você pode se perguntar: “Se o bem gera o bem e o mal gera o mal, por que eu deveria sofrer quando eu sou completamente inocente? Por que eu deveria suportar tantas dificuldades? Por que eu deveria ser incomodado com tantas perturbações? Por que eu deveria ser criticado por outros apesar de meu bom trabalho?” A simples resposta é que quando você faz algumas boas ações você pode desconhecidamente estar indo contra muitas forças do mal no trabalho do universo. Essas forças do mal naturalmente interrompem boas ações. Se não, pode ser que você esteja encarando os efeitos maus de algumas ações danosas do passado (kamma) que está amadurecendo no momento presente. Continuando seu bom trabalho com entendimento, você irá eventualmente se libertar de tais problemas. Desde que você é quem incialmente criou os desgostos, é lógico que apenas você possa superá-los, entendendo a verdadeira situação da sua vida global.

“Ao proteger os outros, vocês se protegem. Protegendo a vocês mesmos,  vocês protegem os outros”.

Muitas das condições deste mundo estão além do nosso controle. Mudanças inesperadas, influências diversas e incertezas acontecem e nos decepcionam. Assim, algumas vezes é difícil fazer o bem em tais circunstâncias de mudança. Se as pessoas seguissem este conselho do Buddha, todo o mundo poderia contribuir para sua mútua proteção.

 

Gratidão é uma virtude rara

O Buddha considerou a gratidão uma grande virtude. Sim, é verdade que essa virtude é rara em qualquer sociedade. Você não pode sempre esperar que as outras pessoas sejam gratas pelo que você fez.

As pessoas tendem a ser esquecidas, especialmente quando se trata de lembrar de favores passados. Se as pessoas falham em mostrar gratidão, você tem de aprender a aceitá-las como elas são – somente assim você evitará desapontamentos. Você pode ser feliz, não importando se as pessoas são gratas por sua bondade e ajuda; você precisa apenas pensar e se sentir satisfeito porque cumpriram seu nobre dever como seres humanos para com seus semelhantes.

 

Não se compare com os outros

Você pode se livrar de preocupação desnecessária e problemas simplesmente não comparando a si mesmo com outros. Enquanto você considerar os outros como seu “igual”, “superior” ou “inferior”, você terá intolerância e inquietação. Se não adotar tal atitude, não há nada para você se preocupar a respeito. Se pensar que você é maior que os outros, você pode se tornar orgulhoso. Se pensar que você é melhor de todos, outros podem humilhá-lo. Se pensar que você é inferior, você pode perder sua própria autoconfiança.

Para a maioria das pessoas é muito difícil subjugar seu orgulho. É aconselhável aprender a reduzir o orgulho. Se você for capaz de sacrificar seu orgulho, então poderá encontrar a sua paz interior. Você poderá se harmonizar com os outros para experimentarem paz e felicidade. O que é mais importante – manter seu orgulho ou a paz de espírito?

Tente entender que igualdade, inferioridade e superioridade são estados relativos em constante mudança: você pode estar pobre agora, mas em outro momento de sua vida você pode se tornar rico. Hoje você pode ser ignorante, contudo mais adiante você pode se tornar sábio. Hoje você pode estar doente e infeliz, mas com o passar do tempo você provavelmente estará saudável novamente. Contudo, existem muitas qualidades humanas intangíveis às quais nos referimos como herança enquanto espécie humana – direitos humanos, dignidade humana, status humano etc… os outros não têm o direito de lhe privar delas. Se você é bom consigo, você é bom para os outros. “Se você é bom para os outros, você é bom para você”.

 

Como lidar com pessoas problemáticas

Você tem que perceber que pode ter contribuído com alguma coisa, intencionalmente ou não, para os impasses e problemas que agora acontecem com você. Também é importante saber o que deve fazer para superar os problemas que vieram até você através de várias fontes. Se a sua compreensão for profunda o suficiente para sublimar a sua responsabilidade por ter causado o problema existente, você certamente terá a ideia de como melhor se livrar deles.

Com isso você saberá como lidar com os seus adversários e as pessoas que causam problemas. As pessoas que se opõem a você também têm um coração humano. Por isso não deve ser difícil conviver com elas, desenvolver uma amizade com elas em vez de isolá-las. Se você for forte o suficiente para resistir à atitude equivocada delas, não haverá razão para evitar se associar com elas. Pela sua associação com essas pessoas, você poderá influenciá-las e ajudá-las a melhorar. Lembre-se de que é o seu próprio entendimento que o protege dos seus inimigos e lhe permite orientá-los para serem bons.

Se uma pessoa faz alguma coisa errada para você, através da sua ignorância ou incompreensão, essa é uma grande oportunidade para você demonstrar sua sabedoria, sua educação e sua compreensão religiosa. Para que serviria toda sua educação e seu conhecimento religioso se você não aprendeu a se comportar como um cavalheiro neste momento desafiador? Quando alguém faz coisas erradas pra você, você deve olhar para essas coisas como uma oportunidade de desenvolver sua paciência e simpatia.

Paciência é uma das melhores qualidades que devemos cultivar. Quanto mais você pratica essa virtude, mais você será capaz de manter sua dignidade. Você deve aprender a fazer bom uso de seu conhecimento e de seus princípios para lidar com pessoas que lhe tratam mal. Mais cedo ou mais tarde elas perceberão sua insensatez e mudarão sua atitude hostil. Às vezes, as pessoas tentam tirar vantagem de sua tolerância e de sua paciência como se fossem sinais de fraqueza. É esse o momento de você agir sabiamente sem tornar-se vítima dessas pessoas ardilosas.

‘Virtudes devem ser praticadas sabiamente’. Bondade, honestidade e paciência são um terreno fértil para pessoas ardilosas serem más com suas vítimas que possuam tais qualidades generosas.

 

Perdoar e esquecer

Vingar-se de encrenqueiros apenas criará mais problemas e perturbações. Você deve perceber que sentimentos negativos e ações hostis apenas trazem dano e sofrimento tanto para você quanto para os encrenqueiros. A fim de adotar ações retaliatórias, você deve acolher intenso ódio em seu coração. Esse ódio é como um veneno. Como o veneno está inicialmente em você, certamente você se machucará antes de machucar qualquer outra pessoa. Antes que você consiga atirar um pedaço de ferro em brasa em alguém, você se queima primeiro. Sua ação apenas mostrará que não há qualquer diferença básica entre você e seu oponente.

Ao odiar os outros, você só lhes dá poder sobre você. Você não resolve seu problema. Se você ficar com raiva de uma pessoa que simplesmente sorri de volta para você, então você se sentirá derrotado e triste. Uma vez que ela não cooperou com você para cumprir seu desejo, será ela a vitoriosa. O Buddha ensina-nos a viver felizes quando somos confrontados com distúrbios.

“Ah, felizes vivemos sem ódio entre os odiosos. No meio de homens odiosos, vivemos sem ódio”. – Dhammapada.

Podemos viver felizes sem abanar o fogo do ódio. Talvez você possa não ser forte o bastante para estender o amor compassivo a seus inimigos; mas para o bem de sua própria saúde e felicidade e de todos os outros, você deve pelo menos aprender a perdoar e esquecer.

Por não odiar ou esmagar quem lhe causa problemas, você age como um cavalheiro. Para agir dessa maneira, você deve entender que a outra pessoa foi enganada pela raiva, ciúme e ignorância. Ela não é, portanto, diferente de todos os outros seres humanos que também em um momento ou outro foram enganados pelos mesmos estados negativos da mente.

O Buddha diz: “”Aqueles que fazem o mal não são maus por natureza. Eles fazem o mal porque são ignorantes”. Portanto, eles precisam de orientação. Não devemos amaldiçoá-los. Não é justificável para nós dizer que eles devem ser condenados ao sofrimento eterno, pois nunca é tarde demais para corrigi-los. Nós devemos tentar explicar a eles de uma forma muito convincente que, na realidade, eles estão errados. Com este entendimento, vocês podem tratar aquele que faz o mal como se fosse um paciente que sofre de uma doença e que precisa de tratamento. Quando a doença é curada, o ex-paciente e todos os demais estarão bem e felizes. O ignorante deve ser guiado pelo sábio.

“A boa vida é inspirada no amor e guiada pelo conhecimento”.

Se um homem faz algo errado para você por ignorância ou mal-entendido, então esse é o momento de irradiar seu amor compassivo com relação ao malfeitor. Um dia, ele vai perceber essa loucura e ceder em seus maus hábitos. Então é melhor dar a ele uma chance de ser bom. O arrependimento por suas transgressões passadas o transformará em uma pessoa melhor e, no final, ele realmente apreciará seus pensamentos gentis. O conselho mais compassivo de Buddha é: “O ódio não cessa pelo ódio, só cessa pelo amor. Esta é uma lei eterna”.

Se você puder irradiar amor compassivo, nenhum mal lhe acontecerá. Isso irá ajudá-lo a alcançar a saúde física e mental. A vida tem seu próprio ritmo. Quando você perde em uma oportunidade, você ganha em outra. Aqueles que não entendem este princípio muitas vezes se metem em problemas e enfrentam dificuldades na vida.

Se um homem faz alguma coisa errada com você repetidas vezes, você deve agir sabiamente para corrigi-lo cada vez que ele comete o erro. Embora não seja fácil fazer isso, você deve contudo tentar seu melhor para seguir o exemplo estabelecido por Buddha. Então, você vai entender que afinal de contas isso não é impossível. A atitude de Buddha nesta situação poderia ser resumida assim: “Quanto mais mal vem até mim, mais bem será radiado por mim”.

Algumas pessoas pensam que não é praticável retribuir o mal com o bem. Tente e veja por si mesmo. Se você achar difícil retribuir o mal com o bem, então ainda pode fazer um grande favor a si mesmo e aos outros não retribuindo o mal com o mal. “Uma consideração compassiva é necessária para pessoas com menor entendimento que cometem erros”.

 

Somos todos humanos

Todos seres humanos têm fraquezas e são, portanto, propensos a errar. Todos seres humanos têm desejo, raiva e ignorância. Essas fraquezas prevalecem em todos nós em variados graus. A menos que você seja perfeito ou um Arahant, você não é exceção. A natureza da mente humana mostra a si mesma na seguinte frase: “O homem não está satisfeito com sua vida e nunca encontra o propósito da vida mesmo depois de ganhar o mundo inteiro”.

Olhemos mais de perto um homem envolto na ignorância. Sua mente fica obscurecida por perturbações, confusão e escuridão. Por ignorância, o homem cria infortúnios e os compartilha com seus semelhantes. A maioria das preocupações e da infelicidade que atinge o homem deve-se às impermanentes condições mundanas e à sua ânsia por prazeres materiais, os quais, para sua mente egoísta, deveriam durar para sempre. Decepção [gerada por] desejos insatisfeitos, que surge por causa de mudanças inesperadas, provoca inquietação. Por isso, você é responsável por sua inquietação.

Ninguém é perfeito neste mundo; todos são capazes de alguma vez cometerem alguns enganos e ações ruins. Assim, como você pode pensar que é livre dos enganos ou do mal? A ignorância é a principal causa para a nutrição do desejo sedento, que por sua vez gera a preocupação. “O medo e a preocupação desaparecem quando a ignorância é dispersa pelo conhecimento”

Se você souber entender as fraquezas presentes na mente de um homem dessa maneira, não deve ter razão alguma para se queixar dos seus problemas. Você terá coragem de enfrentá-las. A mente do homem é responsável tanto por sua felicidade quanto por sua infelicidade.

“Nada acontece com o homem que não esteja contido dentro do homem”. – C. Jung, psicólogo renomado.

 

Responsabilidade dos pais

Você é responsável pelo bem-estar e educação de seus filhos. Se a criança cresce para ser um cidadão forte, saudável e útil, isso é o resultado de seus esforços. Se a criança cresce para ser um delinquente, é você quem deve assumir a responsabilidade. Não culpe os outros. Como pais, é seu dever obrigatório orientar seu filho em um caminho adequado. Embora existam alguns casos incorrigíveis de delinquência juvenil, no entanto, como pais, vocês são responsáveis pelo comportamento de seus filhos.

Uma criança em sua idade mais impressionável, necessita do amor, cuidado, afeição e atenção dos pais. Sem o amor e orientação paternais, a criança será emocionalmente deficiente e verá no mundo um lugar perturbador para se viver. Demonstrar amor paternal não significa louvar todas as exigências da criança, sejam estas razoáveis ou não.  Muito paparico na verdade estragará a criança. A mãe ao dar seu amor e carinho, deve também ser rigorosa e firme mas não áspera ao lidar com birras de uma criança. Mostre seu amor com disciplina – a criança entenderá.

Infelizmente, com demasiada frequência, o amor dos pais em nossa atual sociedade está infelizmente em falta. A corrida pelo acúmulo material e a crescente aspiração pela igualdade dos sexos resultaram em muitas mães que se uniram a seus maridos numa corrida insana. As mães esforçam-se para manter imagem das suas famílias ou status trabalhando em escritórios e em lojas, ao invés de em casa tratando das necessidades de seus filhos.

Crianças que são deixadas aos cuidados de parentes ou empregados, crianças ‘latch key’ (NT: A expressão, sem equivalente em português, refere-se a uma criança que é deixada em casa sozinha.), que são deixadas com seus dispositivos em casa, são frequentemente privadas do amor e cuidados maternos. A mãe, sentindo-se culpada quanto à sua falta de atenção, tenta apaziguar a criança cedendo a todos os tipos de exigência da criança. Essa conduta apenas estraga a criança.

Proporcionar à criança sofisticados brinquedos modernos que são prejudiciais à formação do caráter, tais como tanques, metralhadoras, pistolas, espadas e outros semelhantes é algo psicologicamente insalubre. A criança é involuntariamente ensinada a tolerar a destruição em vez de ser ensinada a ser bondosa, compassiva e útil. Tal criança desenvolverá tendências brutais ao longo do crescimento. Dar a uma criança tais brinquedos não é um substituto do amor e do afeto de uma mãe.

Os pais são muitas vezes colocados em um dilema. Voltando para casa depois de um árduo dia de trabalho os pais cansados têm tarefas domésticas em casa esperando por eles. Quando o trabalho do dia estiver terminado, seria a hora do jantar seguido pela TV, e o tempo que sobrasse, dificilmente seria suficiente para atender os reais direitos de amor e de afeto a virem dos pais.

Com o apelo da libertação das mulheres, muitas mulheres parecem pensar que a solução é competir com os homens fora do lar. Essas mulheres devem considerar muito cuidadosamente se devem gerar filhos. É irresponsável para uma mãe trazer uma vida a este mundo e depois ‘abandoná-lo’. Você é responsável pelo que você cria.

Uma criança tem direito a desfrutar de satisfação material, mas prioritária é ser satisfeita espiritual e psicologicamente. A provisão de conforto material é secundária comparada à provisão do amor e da atenção parental. Sabemos de muitas pessoas de lares pobres e renda escassa, que criaram bem as crianças, com muito amor. Por outro lado, muitas pessoas ricas têm fornecido todo o conforto material para seus filhos, enquanto que eles têm sido privados de amor parental; essas crianças cresceram e se tornaram psicológica e moralmente deficientes.

Algumas mulheres podem sentir que, aconselhá-las a se concentrar na educação da família é alguma coisa degradante que reflete o pensamento do velho e do conservador. É verdade que, no passado, as mulheres foram muito maltratadas, mas isso era mais devido à ignorância por parte dos homens do que a uma inerente fraqueza das mulheres. A palavra em sânscrito para a dona de casa é “gruhini” que significa literalmente “líder da casa”. Certamente não significa que a mulher seja inferior. Ao invés disso, significa uma divisão de responsabilidade para o macho e para a fêmea.

Em certos países, muitos maridos entregam um valor em dinheiro a suas esposas para que elas lidem com assuntos domésticos. Isso deixa o homem livre para se concentrar no que ele pode fazer melhor. Uma vez que cada parceiro sabe claramente o que é de sua responsabilidade, não há conflito entre eles. A atmosfera em casa é feliz e pacífica e seus filhos podem crescer com tranquilidade.

É claro que o marido deve cuidar para que a sua parceira seja bem cuidada, que seja consultada em cada decisão da família, que haja liberdade suficiente para ela desenvolver sua própria personalidade e que ela tenha seu próprio tempo livre para perseguir os interesses da sua vida particular. Nesse sentido, marido e mulher são igualmente responsáveis pelo bem-estar de sua família. Eles não estão competindo um com o outro.

Uma mãe deve considerar cuidadosamente se ela deve continuar como uma mãe ativa com todos os frequentes empecilhos ou como uma dona de casa dando todo seu devido afeto para sua criança em desenvolvimento. Estranhamente, algumas mães modernas, particularmente em alguns países com regimes militares encarando certa escassez de trabalhadores, estão sendo treinadas para manusear armas letais enquanto deveriam estar cuidando de suas crianças e as treinando para serem cidadãs boas e cumpridoras da lei.

A atitude moderna das mães trabalhadoras em relação a seus filhos tende a corroer a tradicional piedade filial que deveria ser mantida pelas crianças. A substituição da amamentação por mamadeira é outra causa. Até então, quando as mães costumavam amamentar e aconchegar os bebês nos braços, a terna afeição entre a mãe e a criança era muito maior. Uma mãe que amamenta, através de seu instinto maternal, muitas vezes experimenta uma enorme satisfação em saber que está nutrindo o bebê, como é a intenção da natureza, com algo próprio, que ninguém mais pode dar. A influência da mãe sobre a criança cresce e se torna muito mais profunda.

Sob tais circunstâncias, amor filial, coesão familiar e obediência estão invariavelmente presentes. Esses traços tradicionais são para os cuidados e bem-estar das crianças. Cabe aos pais, especialmente à mãe, provê-las com amor, cuidado e afeição como algo que lhes é de direito. A mãe é responsável pela criança ser boa ou desobediente. A mãe pode, assim, diminuir a delinquência juvenil! No nível mais alto do pensar, você pode ver as coisas como são e não como você é. Então você sabe que é responsável por tudo. “Aqueles que guiam sua vida indo contra a natureza, devem encarar as consequências fisica ou mentalmente”.

 

Como reduzir sua agonia mental

Toda vez que certas dificuldades e problemas surgirem, decida em sua mente reduzir sua agonia mental. Primeiro, você deve tentar entender a natureza do mundo onde você vive. Você nunca pode esperar que tudo nesse mundo seja perfeito e corra suavemente. A situação mundana pode não ser sempre a seu favor. Não poderia haver nenhum mundo ou vida sem problemas. Forças naturais como a luz solar, chuva, vento e luar são favoráveis e úteis a muitos, enquanto que, às vezes, elas podem ser um incômodo a muitos outros. Não existe, de fato, nada perfeitamente ruim ou perfeitamente bom neste mundo, porque as muitas coisas que são bem-vindas por um grupo podem ser odiadas por outro grupo. No entanto, nós definimos bom ou ruim de acordo com nossas necessidades. Coisas são nem boas e nem ruins por natureza, de acordo com o buddhismo, o mundo existe em um conflito no qual você se torna parte do mesmo.

Se você tem fortes desejos egoístas pela existência e pelos sentidos, terá de pagar o preço – a agonia mental de ter de sobreviver com uma visão distorcida do mundo. Pensamentos cheios de desejos, anseios por eternidade e apego a sentimentos como o utópico ‘eu’ ou ‘mim’, apenas deturpam a mente e sua noção de tempo. Desejos insatisfeitos produzem sua cultura de discussões, atritos, falhas na comunicação, medo, preocupação, solidão e ansiedade. Não há almoços gratuitos.

Se você deseja erradicar a agonia mental interna, precisa diminuir os anseios egoístas. A jornada da vida tem uma bifurcação. Você pode seguir à direita e desenvolver sua espiritualidade para desembaraçar as tensões da vida mundana ou continuar a satisfazer os prazeres sensoriais com suas muitas correspondentes confrontações.

Uma maneira de aliviar a sua agonia mental ocasional é conhecer a intensidade do seu sofrimento e das suas dificuldades em comparação com o sofrimento e as dificuldades dos outros. Quando você está infeliz, é comum achar que o mundo inteiro está contra você. Você acha que tudo ao seu redor está prestes a ruir. Parece que o fim da linha está próximo. No entanto, se atentar para as coisas ao seu redor e contar as suas bênçãos, você se surpreenderá ao constatar que, na realidade, a sua situação é muito melhor que a de muitas pessoas.

Você provavelmente deve ter ouvido o ditado: “Eu reclamava por não ter sapatos até encontrar um homem que não tinha pés”. Em resumo, você tem exagerado indevidamente sobre seus problemas e dificuldades. Outros estão, de fato, em pior situação, e ainda assim não se preocupam indevidamente. Os problemas estão aí. Você deveria tentar resolvê-los ao invés de se preocupar em criar angústia mental dentro de você. Os chineses têm um ditado sobre resolver problemas: “Se você tem um grande problema, tente reduzi-lo a um problema menor. Se você tem um pequeno problema, tente reduzi-lo a problema algum”.

Outra maneira de reduzir seus problemas é recapitulando o que você passou antes, sob circunstâncias semelhantes ou mesmo piores; e como você, através de sua própria paciência, iniciativa e esforço, foi capaz de superar suas dificuldades aparentemente insuperáveis. Ao fazer isso, você não permitirá que seus problemas existentes o ‘afogue’. Pelo contrário, ao ver a vida em uma nova perspectiva, você será capaz de resolver quaisquer problemas que podem agora vir a enfrentar.

Você deveria perceber que você já passou por situações muito piores antes e que você está preparado para encará-las equilibradamente, venha o que vier. Com essa perspectiva mental, você logo retomará sua auto-confiança e estará em uma posição melhor para resolver quaisquer problemas que estejam reservados para você.

Se você está enfrentando um problema, deve certamente haver uma solução para superá-lo. Então, porque se preocupar? Por outro lado, mesmo se você não tiver uma solução para o seu problema, de novo, porque se preocupar, já que sua preocupação em nada contribuirá para resolver o problema?

 

Todos não são igualmente bons

Ocasionalmente, há queixas de pessoas que nunca causaram ou deram qualquer problema a outras pessoas e mesmo assim se tornam vítimas inocentes das astúcias e intrigas dos outros. Elas se sentem frustradas apesar das boas vidas que viveram. Elas sentem que foram prejudicadas sem culpa própria. Em tais circunstâncias, a vítima inocente deve perceber que o mundo é composto de todos os tipos de pessoas – o bom e o não tão bom, o mau e o não tão mau – com todos os personagens incomuns que fazem este nosso mundo. A vítima inocente pode se consolar com o pertencer à categoria boa, enquanto o perturbador da paz pertence à má, e em certas ocasiões ainda terá de suportar pacientemente os erros cometidos pelos que pertencem à má.

Tomemos, por exemplo, o caso de um ‘motorista bom e cuidadoso’ e um ‘motorista ruim e imprudente’. O motorista bom e cuidadoso tomou todas as precauções para conduzir com cuidado, mas, no entanto, a ele ocorreu um acidente, sem ter culpa – a culpa foi daquele motorista ruim e imprudente.

Assim, podemos ver o bem e podemos ter que sofrer apesar de sua bondade, porque há pessoas ruins e imprudentes ao nosso redor. O mundo não é nem bom nem mau. Ele produz criminosos, assim como santos, tolos e iluminados. Da mesma argila, coisas bonitas e feias, úteis e até inúteis podem ser feitas. A qualidade da boa cerâmica depende do oleiro e não do barro de que ela é feita. O oleiro é de fato você mesmo. A moldagem de sua felicidade ou infelicidade está em suas mãos.

 

Vocês obtêm aquilo que procuram

Se vocês se esforçarem em seu melhor nível para superarem suas dificuldades, praticando os conselhos dados neste livreto, definitivamente vocês encontrarão a paz, a felicidade e a harmonia que estão procurando. Sigam os princípios que foram testados e comprovados conforme delineados neste folheto, para sua proteção.

-ooOoo-


Traduzido pelo Grupo de Tradução do Centro Nalanda
em acordo com o autor
Para Distribuição Gratuita
© 2017 Edições Nalanda


* Se você tem habilidades linguísticas e gostaria de traduzir e dispor suas traduções em nossa sala de estudos para que mais pessoas possam ter acesso aos ensinamentos do Dhamma, nós o/a convidamos para entrar em contato conosco. Precisamos de tradutores do espanhol, inglês, alemão e outras línguas.

Deixe uma resposta